11/02/2022 às 15h15min - Atualizada em 11/02/2022 às 19h42min

Orientações para crescimento das startups, com Leandro Castelo, CEO da 300 Franchising

Empreendedor conhecido como

SALA DA NOTÍCIA Marketing 300 Franchising
Empreendedor conhecido como

Com a aprovação do Marco Legal das Startups no ano passado, é esperado que o setor cresça ainda mais no Brasil, até porque o mercado está ávido por negócios inovadores. Contudo, para tirar um projeto deste tipo do papel, os empreendedores, além de ideias disruptivas, precisam de apoio financeiro.

A captação de investimento ainda é um dos maiores entraves ao desenvolvimento de startups. É ajudando os interessados neste tema que o especialista em negócios Leandro Castelo tem feito sucesso na internet. Ele também é conhecido por ter fundado, ao lado do irmão, a Ecoville, rede de produtos de limpeza com centenas de lojas espalhadas pelo território nacional.

O “rei das franquias”, como é popularmente chamado, em razão de estar à frente da 300 Franchising, uma das maiores aceleradoras de franquias do Brasil e dona de quase cem marcas, compartilha algumas recomendações para os empreendedores que buscam convencer investidores a confiar no negócio.

Segundo o especialista, ter uma equipe qualificada é fundamental, pois os investidores avaliam a capacidade das pessoas envolvidas no projeto.

“Para formar uma boa equipe, busque pessoas com habilidades complementares. Experiências distintas também agregam muito valor ao negócio”, indica Castelo.

Antes de apresentar o projeto a potenciais investidores, é preciso elaborar um planejamento estratégico, delimitando como os recursos captados serão utilizados. “É importante ter projeções de crescimento de curto, médio e longo prazos, além de estimativas para o cumprimento de cada etapa e para os custos dos serviços necessários para a realização da atividade principal do negócio”, salienta.

O apoio financeiro capaz de potencializar a startup pode vir de diversas fontes. Por isso, é importante estudar o mercado para saber a quem recorrer.

“Há aceleradoras, incubadores, investidor-anjo, editais de verbas públicas, parcerias com o setor privado. Enfim, cada fonte de financiamento tem um jeito de ser abordada. Entenda o seu negócio e leve-o a quem potencialmente demonstra mais interesse pela atividade que a startup se propõe a realizar”, termina.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »