12/02/2022 às 11h42min - Atualizada em 14/02/2022 às 23h10min

Burnout é reconhecida como doença do trabalho

Entenda os impactos e como evitar o esgotamento físico e mental

SALA DA NOTÍCIA IISP
http://segurancapsicologica.com/
Freepik.com

Dificuldade de concentração, lapsos de memória, mudanças bruscas de humor, ansiedade, insônia e depressão são alguns dos sintomas da exaustão profissional que tem sido cada vez mais comum.  

 

Desde o início da pandemia, quando 8,2 milhões de pessoas adotaram o home office, segundo o Ipea, houve uma explosão de casos relacionados à saúde mental dos trabalhadores devido às longas jornadas e a mistura da vida pessoal com a profissional. 

 

Para a psicóloga organizacional Patricia Ansarah, fundadora do Instituto Internacional em Segurança Psicológica, “detectar a Síndrome de Burnout pode ser complexo, mas as empresas e profissionais precisam ter atenção ao notar a incapacidade de se desligar do trabalho, a fuga de conflitos ou distanciamento da vida social”. 

 

Desde o dia 01 janeiro de 2022, a Síndrome de Burnout passou a ser reconhecida como uma doença ocupacional pela Organização Mundial da Saúde (OMS). “A nossa expectativa é que haja melhor entendimento para prevenção e tratamento, pois é necessário que as empresas entendam como criar e manter ambientes psicologicamente seguros entre os seus profissionais”, diz Veruska S. Galvão, psicóloga e uma das precursoras da segurança psicológica no Brasil. 

 
Com a inclusão do Burnout na CID-11 pela OMS, será possível tirar uma licença do trabalho por conta do diagnóstico. Mas, além do afastamento, a síndrome pode causar outros problemas de saúde como úlceras, diabetes, aumento no colesterol. O reconhecimento como doença laboral pela OMS é um importante alerta às empresas que precisam ter mais atenção às questões humanas.  

 

E para que uma organização e seus profissionais realmente permaneçam saudáveis se faz necessário criar ambientes onde, qualquer pessoa, sinta-se segura em compartilhar o seu conhecimento, ideias e dúvidas, sem medo de retaliação. Isso é, um ambiente onde tomar risco interpessoal seja valorizado. Onde o medo de não falar, de não contribuir seja maior do que o medo de se expressar.  

 

É neste ambiente que as pessoas se envolvem – e assumem – o risco de oferecer críticas, pedir ajuda, compartilhar ideias inovadoras, dialogar e outros comportamentos que promovem uma boa tomada de decisão, aprendizado, inovação e a excelência para um mundo em transformação. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »