17/02/2022 às 14h31min - Atualizada em 18/02/2022 às 00h02min

Acelerar ritmo de vacinação infantil pode salvar vidas, mostra estudo

Se a vacinação infantil tivesse começado em ritmo de 1 milhão de doses por dia desde janeiro, número de vidas salvas até abril chegaria a 3 mil em todas as faixas etárias.

SALA DA NOTÍCIA Agência Brasil
https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-02/acelerar-ritmo-de-vacinacao-infantil-pode-salvar-vidas-mostra-estudo

Acelerar o ritmo da vacinação infantil para 1 milhão de doses aplicadas por dia poderia aumentar o impacto da proteção coletiva e salvar mais vidas até abril, afirma uma nota técnica elaborada pelo Grupo de Modelagem da Dinâmica de Transmissão do SARS-CoV-2 no Brasil, que reúne pesquisadores de diversas instituições e recebe apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).



Os pesquisadores desenharam dois cenários a partir de meados de janeiro, quando começou a vacinação infantil contra covid-19 no Brasil: um com a vacinação de crianças no ritmo atual, considerado lento, com a aplicação de 250 mil doses por dia; e outro, considerado ideal, com 1 milhão de doses aplicadas por dia, patamar que o Programa Nacional de Imunizações já conseguiu atingir em outras campanhas de vacinação desse público.



No ritmo atual, os pesquisadores estimam que 1.092 vidas de todas as faixas etárias serão salvas pela vacinação infantil até abril, e 5,7 mil pessoas deixarão de ser internadas com covid-19. Se forem consideradas apenas as crianças de 5 a 11 anos, o estudo estima que cerca de 2,3 mil internações deixarão de acontecer e 182 vidas serão salvas.  



No outro cenário, em que a vacinação teria começado no ritmo ideal em meados de janeiro, com 1 milhão de doses por dia, o número de vidas salvas até abril subiria para 3 mil em todas as faixas etárias, sendo 428 mortes evitadas em crianças de 5 a 11 anos. Neste cenário, os pesquisadores estimaram que 5.419 hospitalizações de crianças deixariam de acontecer e cerca de 14 mil internações se forem consideradas todas as idades.



Coordenadora da pesquisa e integrante do Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas em Imunização da Organização Mundial da Saúde (Sage/OMS), Cristiana Toscano explica ainda que, se o cenário atual, de ritmo lento, mudasse para o de ritmo ideal, ainda seria possível chegar a um número de 1,9 mil mortes evitadas em todas as faixas etárias até abril, em vez de 1.092 no cenário atual. Em relação às vítimas infantis, seriam 246 a menos, em vez de 182 na projeção do ritmo atual. Os números de internações que deixariam de acontecer subiriam de cerca de 5,7 mil para 8,4 mil em todas as faixas etárias, e de 2,3 mil para 3 mil entre as crianças.



Desinformação



A pesquisadora esclarece que a vacinação de uma faixa etária específica, como a das crianças, tem o potencial de salvar vidas de todas as idades porque pessoas imunizadas transmitem menos o vírus quando são infectadas.



Apesar de os benefícios da vacinação serem amplamente divulgados pela comunidade científica, ela avalia que há um cenário de muita desinformação circulando principalmente nas redes sociais.



"A gente está com um gargalo de demanda. Em muitos locais, há vacinas disponíveis e parte dos pais ainda tem insegurança e hesitação e não está procurando os postos para vacinar as crianças", afirma a pesquisadora, que também é representante da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) em Goiás.




"Esses resultados têm a capacidade de mostrar de um ponto de vista bem quantitativo o impacto que uma estratégia de vacinação mais intensificada e com uma maior procura por parte das famílias poderia resultar em um número bastante importante de óbitos e hospitalizações evitadas".




Além de informações falsas espalhadas por grupos antivacina, a infectologista aponta que há uma ideia errada de que não há risco de casos graves em crianças. Com a circulação da variante Ômicron, muito mais transmissível, ela destaca que o grande número de casos tornou as internações infantis por covid-19 mais frequentes. 



"A população ainda está com uma percepção de que doença grave em criança não vai acontecer. E não é bem assim. Só no mês de janeiro, o número de hospitalizações triplicou em crianças e adolescentes. E não é só no Brasil. Nos Estados Unidos, quadruplicou com a circulação da Ômicron", explica, ao acrescentar que, além do maior número de casos, o vírus também tende a circular de forma mais intensa em grupos populacionais com menor cobertura vacinal, o que é o caso das crianças. 



O estudo lembra que, após a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para uso da vacina da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos, em meados de dezembro, a vacinação dessa população no Brasil começou "em meio a intenso debate e circulação de fakenews".



"Esta introdução ocorreu em meio a muitas dificuldades operacionais e acompanhada de poucas estratégias de mobilização e comunicação sobre a importância da vacinação neste grupo de idade. Em combinação, todos esses fatores podem estar contribuindo para a baixa cobertura vacinal observada até o momento, correspondendo, até 7 de fevereiro de 2022, a menos de 20% das crianças na faixa entre 5 a 11 anos com a primeira dose da vacina. Ressalta-se que há variação importante de cobertura vacinal entre os estados brasileiros, com alguns estados apresentando coberturas extremamente baixas, em torno de 4% apenas". 



Benefícios subestimados



Ainda que o estudo aponte que um ritmo mais intenso de vacinação poderia salvar até o triplo de vidas no curto prazo, o benefício desse cenário de imunização acelerada ainda pode estar subestimado.



Cristiana Toscano explica que o estudo não considerou os casos que poderiam ser evitados de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica, complicação da covid-19 mais comum em crianças, nem os riscos de sequelas e casos de covid-19 longa, que também têm sido registrados na população infantil.



"Inicialmente, a gente tinha documentado a ocorrência de covid longa em pessoas com doença grave e internadas, e fomos vendo que não bem assim, não é só nesses casos. Tem covid longa acometendo órgãos do sistema cardiovascular, do sistema neurológico e cognitivo, causando déficit de aprendizado, alteração de condições metabólicas", cita a pesquisadora. "Muitas dessas condições também estão sendo observadas em crianças".



Com a vacinação de crianças em curso em dezenas de países, a infectologista reforça que a segurança das vacinas têm sido confirmada ao redor do mundo com a observação de mais de 40 milhões de doses aplicadas, e que casos de eventos adversos mais graves, como a miocardite ou a trombose, têm se mostrado extremamente raros. Além disso, ela compara que a própria covid-19 causa essas complicações com muito mais frequência.  



Economia 



Com a redução de mortes e internações por covid-19, o estudo também calcula que uma vacinação mais acelerada poderia reduzir os custos com o tratamento de pacientes infectados pelo coronavírus. 



Segundo a pesquisa, no ritmo lento, a vacinação de crianças pode evitar um custo de quase R$ 60 milhões com internações de doentes de todas as faixas etárias, economia que poderia chegar a R$ 87 milhões até abril se o ritmo subisse para 1 milhão de doses por dia.



Caso o cenário ideal tivesse ocorrido desde meados de janeiro, poderiam ser evitados R$ 146 milhões em custos de internação.



Matéria corrigida às 15h24. A pesquisadora Cristiana Toscano é infectologista, e não imunologista, como publicado inicialmente.



Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »