25/03/2022 às 15h58min - Atualizada em 26/03/2022 às 06h22min

Ministro propõe à CPLP políticas públicas para doenças crônicas

O ministro Marcelo Queiroga disse que o objetivo do plano, entre outros pontos, é fortalecer os serviços de vigilância e prevenção dessas doenças no pós-pandemia da covid-19.

SALA DA NOTÍCIA Agência Brasil
https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2022-03/ministro-propoe-cplp-politicas-publicas-para-doencas-cronicas

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, propôs hoje (25) aos membros da Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP) um plano comum dedicado a políticas públicas para doenças crônicas não transmissíveis. O ministro fez a apresentação da proposta durante a VI Reunião de Ministros da Saúde do bloco, encerrada nesta sexta-feira, em Luanda, capital de Angola.



O ministro destacou que o objetivo do plano, entre outros pontos, é fortalecer os serviços de vigilância e prevenção dessas doenças no pós-pandemia do novo coronavírus (covid-19).



“Nosso objetivo é fortalecer as capacidades dos países da CPLP na gestão de políticas, reorientação de serviços, promoção, prevenção e vigilância, para o cuidado abrangente no pós-pandemia da covid-19”, disse o ministro.



O ministro também sugeriu a possibilidade dos países cooperarem na área de telemedicina, que ganhou corpo durante a pandemia. Segundo Queiroga, o grupo de trabalho designado na reunião para o tema pode apoiar na difusão de tecnologias de informação e de conhecimento na mitigação dos impactos provocados pela covid-19, especialmente no acesso aos cuidados de saúde e na formação e otimização de recursos humanos.



Na reunião, os ministros de Estado reiteraram o entendimento de que a vacinação contra a covid-19 é um bem público e será um fator determinante na resposta aos desafios pós-pandemia. Os ministros assinaram um documento final com a aprovação de ações entre os países.



Além do Brasil, a conferência contou com a participação de representantes de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné-Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.




Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »