30/03/2022 às 17h27min - Atualizada em 30/03/2022 às 20h53min

ESET ensina como não errar na hora de criar senhas seguras

Autenticação de dois fatores, biometria e senhas complexas podem ajudar no processo

SALA DA NOTÍCIA João Pedro Voltarelli

São Paulo, março de 2022 – Uma pesquisa da ESET, empresa de detecção proativa de ameaças, realizada em 2021 revelou que 49% dos usuários escrevem suas senhas para não esquecer, sendo que 38% destas pessoas as colocam em papel - um risco para a segurança da informação. Além disso, muitas destas autenticações acabam por ser, como a Microsoft descreve, inconvenientes e inseguras. Para resolver esse problema de uma vez por todas, a ESET dá algumas dicas que podem aumentar a segurança de suas senhas de uma vez por todas:

 
  1. Usar um gerenciador de senhas

Os gerenciadores de senhas e métodos como o single sign-on (autenticação única) oferecem uma forma de superação para esses desafios, armazenando e lembrando senhas complexas para cada conta a fim de que os usuários não precisem se preocupar com isso. No entanto, eles ainda não são universalmente populares entre os consumidores. O fato de não utilizar um gerenciador muitas vezes leva os usuários a reaproveitarem senhas em diversas contas, isso os expõe aos chamados ataques de credential stuffing, nos quais os cibercriminosos se aproveitam de credenciais (login e senhas) vazadas para tentar entrar em outras contas dos mesmos usuários. Ou seja, é fundamental ter credenciais de acesso diferentes para cada serviço assinado.

 
  1. Implementar a autenticação de dois fatores

Uma forma de segurança para que o usuário não precise depender tanto das senhas é a autenticação de dois fatores. Mesmo que sua senha tenha sido roubada, o cibercriminosos não conseguirá ter acesso à conta, dados e serviços sem que tenha acesso ao telefone cadastrado para recebimento do token temporário. Geralmente, a segunda senha é enviada através de SMS para o celular do usuário e é formulada de maneira aleatória.

 
  1. Instalar a identificação por biometria

Outra solução para melhorar a segurança do usuário na internet pode estar na identificação biométrica. Ela é capaz de liberar acessos em vários ambientes apenas com o reconhecimento da digital. Ou seja, apenas o proprietário do dispositivo será realmente capaz de acessar os dados, pois a senha se torna o próprio indivíduo.

Aqui cabe uma ressalva, a biometria é excelente em todos os locais onde é aceita, ainda assim vale se certificar que a senha que foi vinculada a essa biometria não seja esquecida, cadastrada em um gerenciador de senhas por exemplo, pois algumas formas de autenticação não aceitam o vínculo biométrico e você pode acabar precisando digitá-la, eventualmente.

 

Apesar dos diversos problemas encontrados com a criação de senhas ao longo da vida cibernética, existem muitas formas de facilitar o processo. A criação de uma senha forte, com uma camada extra de segurança ao ativar o duplo fator de autenticação ou a biometria já podem auxiliar na proteção do usuário. Se a dificuldade estiver no número de palavras-chave criadas, o gerenciador de senhas pode ser a solução. Desse modo, o indivíduo precisará lembrar apenas de uma senha, e garantir que ela esteja de acordo com as dicas já mencionadas.

 

Para saber mais sobre segurança da informação, acesse o portal de notícias da ESET: https://www.welivesecurity.com/br/


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »