01/08/2022 às 13h53min - Atualizada em 01/08/2022 às 16h23min

Regina Braga volta a afirmar seu amor por São Paulo em um espetáculo cheio de música, poesia, bom humor e histórias encantadoras.

Com direção de Isabel Teixeira, espetáculo teatral São Paulo reestreia dia 5 de agosto, em curta temporada no Teatro Itália Bandeirantes.

SALA DA NOTÍCIA Fernando Sant'Ana
https://instagram.com/saopauloteatro
Nova chance de ver Regina Braga em aclamado espetáculo dedicado a São Paulo. (créditos: Roberto Setton)
Depois de uma temporada com grande sucesso de público e de crítica, o espetáculo São Paulo, estrelado por Regina Braga, volta a ser exibido na cidade, a partir da sexta-feira, 5 de agosto, no Teatro Itália Bandeirantes (Ed. Itália, Avenida Ipiranga, 344, República). Com direção de Isabel Teixeira (a Maria Bruaca da novela Pantanal), São Paulo revela histórias encantadoras, garimpadas ao longo de anos, sobre uma cidade que assusta, desafia, acolhe, estimula e sempre surpreende. Dividindo o palco com Regina, um grupo músicos e atores formado por Xeina Barros (voz e percussão), Alfredo Castro (voz e percussão), Vitor Casagrande / Maik Oliveira (voz, cavaquinho e bandolim) e Gustavo de Medeiros / Guilherme Girardi (voz e violão) traz à tona versos, contos e melodias que mostram uma cidade única, contraditória, misteriosa e muito divertida.
 
Desde a sua fundação, em 25 de janeiro de 1554, na área conhecida como Campos de Piratininga, entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí, onde já existia o Pateo do Colégio, a cidade de São Paulo tem vivido contínuas transformações, sempre acolhendo quem chega, multiplicando sua diversidade e acelerando sua evolução. Esta cidade ocupa o papel de personagem principal do espetáculo, que reúne histórias deliciosas como o relato do Padre José de Anchieta sobre subir a serra do mar (a pé!), a visão poética de Itamar Assumpção sobre o Rio Tietê, a reflexão de Drauzio Varella sobre os passarinhos (bem-te-vis, tico-ticos, sanhaços, sabiás...) que, teimosos, ainda insistem em morar na cidade, e outras preciosidades escritas por ninguém menos que José Miguel Wisnik, Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Paulo Prado, Castro Alves, Paulo Caruso, Guilherme de Almeida, Plínio Marcos, José Ramos Tinhorão, Alcântara Machado, German Lorca, Frei Gaspar da Madre de Deus, Carlos Augusto Calil, Paulo Bonfim e Pedro Corrêa do Lago.

A ideia do espetáculo começou a tomar forma há dez anos, estimulada pela leitura do livro A Capital da Solidão, de Roberto Pompeu de Toledo. “Com este livro, a minha relação com a cidade mudou, passou a ser mais amorosa, de afeto mesmo, buscando entender os lugares descritos no livro, como a forca que existia na Liberdade”, revela Regina, que chegou em São Paulo aos 18 anos de idade e, como ela mesma diz, “foi ficando”. São Paulo, uma cidade que nasceu isolada, escondida e assim permaneceu por quase quatro séculos. Ao longo da peça, (re)descobrimos a transformação da pacata vila com o ciclo do café, que fomentou estradas de ferro e estimulou a imigração; a fundação da Faculdade de Direito no largo de São Francisco, que impactou definitivamente em sua vida cultural e de lazer; o crescimento da cidade para além dos rios Tietê e Pinheiros; o surgimento das periferias a partir dos anos 30 e sua imensa força braçal e cultural; o carnaval do jeito bem paulistano e suas primeiras escolas de samba...
 
“A evidente paixão de Regina pela cidade de São Paulo é contagiante, conduz o fio narrativo e envolve completamente quem assiste ao espetáculo”, afirma a diretora Isabel Teixeira. Este afeto e este encantamento motivaram uma extensa pesquisa sobre a cidade e o que se escreveu e se cantou sobre ela, com inúmeras ideias anotadas - uma a uma, ano após ano - em um caderninho. Um processo de construção narrativa realizado com as pessoas e para as pessoas, que foi incorporando referências que vieram à tona em uma série de leituras realizadas na Casa de Mario de Andrade, na Biblioteca Mario de Andrade, na Casa das Rosas e em oito exibições no YouTube.

A própria Regina, responsável pelo roteiro, organizou tudo sobre uma ampla mesa, peça central no processo de criação e que acabou sendo o principal elemento cenográfico na montagem teatral, em volta da qual casos e lembranças são compartilhados e ganham calor, cor e som, como acontece mesmo em uma acolhedora mesa de roda de samba, daquelas que adoramos em um boteco ou no quintal de casa. Entre as pérolas resgatadas, São Paulo, Chapadão da Glória (Silas de Oliveira e Joaci Santana), Samba Abstrato (Paulo Vanzolini), Viaduto de Santa Efigênia (Adoniran Barbosa), O Mundo (André Abujamra), No Sumaré (Chico César), Vira (Renato Teixeira), Persigo São Paulo (Itamar Assumpção), entre outras. “A Regina é uma artista muito completa: escreve, canta, produz, sempre muito viva e inquieta. Eu me reconheço nessa inquietação”, complementa Isabel.

E é por inquietação e afeto que Regina compartilha também algumas de suas lembranças da cidade, como as chegadas de trem na Estação da Sorocabana (como era conhecida a estação Júlio Prestes), os jardins floridos dos casarões da Av. Angélica, a elegância nas ruas, a garoa, as águas que sumiram embaixo do cimento, com os rios subterrâneos e retificados, a efervescência do centro da cidade e de teatros como o Maria Della Costa, o Arena e o Oficina, a Escola de Arte Dramática que funcionava onde hoje é a Pinacoteca, as - também teimosas! - árvores da cidade: ipês brancos, roxos, amarelos; flamboyants vermelhos, alaranjados; tipuanas; jacarandás mimosos; sibipirunas com flores amarelas que imitam canários... Uma cidade sempre viva, estimulante e aberta, como o próprio espetáculo, como seus próprios habitantes. Parafraseando Itamar Assumpção, não é (só) amor, é uma identificação absoluta. São Paulo é Regina, São Paulo somos nós.

Sinopse
Espetáculo teatral que passeia pelos encantos, mistérios e fatos curiosos da cidade de São Paulo, sua formação, suas transformações, sua gente, suas contradições, sua força. A cidade de São Paulo como personagem principal que ganha vida em textos e músicas garimpados ao longo de uma extensa pesquisa, apresentados de forma divertida, leve e surpreendente.

Regina Braga
Atriz formada pela EAD – Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo (USP), recentemente deu vida à psicanalista Ana Virgínia, na novela Um Lugar ao Sol, na Rede Globo, onde participou também de Por Amor, Mulheres Apaixonadas, Ti-ti-ti, A Lei do Amor e da série JK. Atuou em mais de trinta espetáculos teatrais, entre eles Chiquinha Gonzaga, Ô Abre Alas, de Maria Adelaide Amaral; Uma Relação Tão Delicada, de Loleh Bellon; À Margem da Vida, de Tennessee Williams; Um Porto para Elizabeth Bishop, de Marta Goes. Por esses espetáculos, recebeu os prêmios de melhor atriz do ano. Nos últimos anos, em parceria com Isabel Teixeira, apresentou Desarticulações, de Silvia Molloy e Agora Eu Vou Ficar Bonita, escrito por ela e Drauzio Varella. Regina também integrou o elenco da série Alice, na HBO.

Isabel Teixeira
Atriz formada pela EAD, foi assistente de Regina Braga no espetáculo Totatiando, com Zélia Duncan (2011), dirigiu Desarticulações, com Regina Braga e texto de Sylvia Molloy (2013); Tudo Esclarecido, show de Zélia Duncan (2013); Animais na Pista, de Michelle Ferreira (2014); Agora Eu Vou Ficar Bonita, com Regina Braga e Celso Sim, roteiro de Regina Braga e Drauzio Varella (2014); Fim de Jogo, de Samuel Beckett, com Renato Borghi (2016); Lovlovlov, Peça Única em Cinco Choques, (2016); e A Mulher que Digita, de Carla Kinzo (2017). Como atriz, atuou em Puzzle (a, b, c e d), sob a direção de Felipe Hirsch (2014); e E Se Elas Fossem Para Moscou?, cumprindo temporada ao redor do mundo até 2020. Foi contratada, como integrante da Cia. Vértice de Teatro, pelo Teatro Odeon de Paris e pelo Le Centquatre-Paris para atuar no espetáculo Ítaca, de Christiane Jatahy, que estreou em Paris em abril de 2018. Ganhou o prêmio Shell de Melhor Atriz por Rainha(s) (2009). Em 2019, escreveu e dirigiu a peça People vs People,  que estreou em novembro de 2019, em Curitiba. Fez parte do elenco da série Desalma, de Ana Paula Maia, direção de Carlos Manga Junior, e da novela Amor de Mãe, de Manuela Dias, direção de José Villamarin. Atualmente, está chamando a atenção de todo o Brasil pelo seu desempenho como a personagem Maria Bruaca, na novela Pantanal (Rede Globo), com direção de Rogério Gomes.

Ficha Técnica
Elenco: Regina Braga, Vitor Casagrande/Maik Oliveira, Gustavo de Medeiros/Guilherme Girardi, Alfredo Castro e Xeina Barros
Direção: Isabel Teixeira
Assistente de direção: Aline Meyer
Roteiro: Regina Braga 

Colaboração no roteiro: Isabel Teixeira, Aline Meyer, Vitor Casagrande, Alfredo Castro, Guilherme Girardi e Mônica Sucupira
Colaboração artística: Monique Gardenberg
Iluminação: Beto Bruel
Cenografia e Figurino: Simone Mina 

Assistente de Cenografia: Vinicius Cardoso
Gravuras: ateliê Fora de Esquadro – Isabel Teixeira (a partir de arquivos antigos, acervo pessoal e fotos de German Lorca) Projeto Gráfico: Alexandre Caetano e Júlia Gonçalves (Oré Design Studio)
Fotos: Roberto Setton
Vídeo: Gislaine Miyono e Michel Souza
Operação de som: Alexandre Martins/ Pedro Semeghini 

Operador de luz: Taiguara Chagas
Assessoria de Imprensa: Fernando Sant’ Ana
Produção Executiva: Rick Nagash
Direção de Produção: Anayan Moretto
Realização: Ágora Produções Teatrais e Artísticas 


São Paulo, com Regina Braga
Teatro Itália Bandeirantes
Ed. Itália, Avenida Ipiranga, 344, República, São Paulo
Curta temporada: de 5 a 28 de agosto de 2022
Sextas e sábados, às 20h. Domingos, às 19h.
Inteira R$ 90 (inteira) e R$45 (meia-entrada)
Horários da bilheteria: de quarta a sábado, das 13h às 21h. Domingos, das 13h às 19h
Vendas online: https://teatroitalia.byinti.com
Duração: 90 minutos
Classificação: livre
Capacidade: 276 lugares
Acesso para pessoas com mobilidade reduzida
Recomenda-se o uso de máscara durante todo o espetáculo.
Estacionamento com manobrista na porta do Edifício Itália: R$ 27 (preço único)
https://instagram.com/saopauloteatro

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »